Terapia da Fala

A  Terapia da Fala desenvolve actividades no âmbito da prevenção, avaliação e tratamento das perturbações da comunicação humana, englobando não só todas as funções associadas à compreensão e expressão da linguagem oral e escrita mas também outras formas de comunicação não verbal.

A intervenção directa em Terapia da Fala permite ultrapassar as dificuldades e melhorar o desempenho linguístico.

Um trabalho multidisciplinar é benéfico para o desenvolvimento, tanto a nível escolar, como intelectual, físico e emocional.

As áreas de intervenção em Terapia da Fala

Perturbações de linguagem:

Crianças

– Atraso de Desenvolvimento da Linguagem (ADL)

– Perturbação Específica da Linguagem (PEL)

– Dificuldades de Aprendizagem

Adultos

– Afasia

– Perturbações Cognitivo Linguísticas

Perturbações da Fala:

– Perturbações Articulatórias

– Disartria

– Apraxia

– Gaguez

Voz:

– Disfonia

Deglutição:

– Disfagia

Leitura e Escrita:

– Dislexia

Uma das grandes áreas de actividade da Terapia da Fala consiste em intervir junto de crianças em idade escolar e pré-escolar com dificuldades de comunicação, resultantes de perturbações no desenvolvimento da linguagem e/ou da fala, cujas causas podem ser muito variadas, nomeadamente surdez, perturbações psicológicas, privação sócio-linguística e lesões cerebrais. Neste domínio, a sua intervenção visa sobretudo o desenvolvimento das capacidades de compreensão e de expressão oral destas crianças ou mesmo, nos casos mais graves, a utilização de sistemas aumentativos e alternativos de comunicação

É ainda função do Terapeuta:

Actuar ao nível da prevenção da ocorrência e/ou agravamento das alterações da comunicação através de várias acções como:

- Ensino;

– Fornecimento de informação à comunidade;

– Acções de rastreio para despiste precoce de perturbações na criança e/ou no adulto;

– Qualquer outra acção apropriada para os utentes e o seu meio envolvente.

A intervenção terapêutica tem uma dimensão técnica mas também uma dimensão relacional e social, tendo como objectivo levar o utente de acordo com as suas possibilidades ao nível óptimo de funcionamento e de comunicação que corresponda ao seu meio social, educacional e profissional no sentido de alcançar ou manter tanto quanto possível a sua autonomia.